sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Dicas de como evitar um relacionamento abusivo


Ao falar sobre dicas para evitar relacionamentos abusivos ou tóxicos, o primeiro comentário que eu ouvi foi: É simples, não se relacione!
Eu achei graça, realmente este seria um método infalível, as pessoas ficariam satisfeitas com o resultado, não teríamos feminícidio, agressões, cárcere, abusos, enfim tudo aquilo que já sabemos em torno do assunto, mas mesmo considerando este ponto de vista, pensei que seria melhor falar sério, já que estou falando de quem não desistiu de acreditar nas pessoas e nas questões do coração, afinal por que não acreditar que coisas boas existem e que pessoas podem se apoiar e contribuir umas com as outras? Portanto direciono esta fala à quem opta por se relacionar e tentar a sorte no amor e que a nossa existência e liberdade não dependa da “sorte” para ter sucesso, então façamos isso com o mínimo de segurança e racionalidade que a nossa vida, e integridade física e mental merecem.

Primeiramente é importante dizer que não importa a sua idade, ou o nível de experiência que você considera ter a partir de seus relacionamentos antigos, relações abusivas chegam sem avisar, devagar tomam espaço, ganham a nossa atenção de forma diferente do que realmente são. O envolvimento neste tipo de situação é algo quase imperceptível diante de olhos cheios de emoção e toda a ilusão social a qual somos expostas por toda nossa vida, é preciso estar atenta em algumas ações e comportamentos por parte das pessoas, neste caso toda informação e troca de experiências são válidas.

É importante dizer que não somente a relação amorosa pode ser abusiva, muito menos que apenas em relações heterossexuais, isso também acontece na relação entre pais e filhos, irmãos, amigos, e em outros tipos de relacionamentos, é necessário identificar o que de fato é um abuso, em que momento o que esta acontecendo vindo de outra pessoa está nos atingindo de forma negativa.  
Não importa o nível de sua relação, seja um lance, namoro, ficante, noivado, ou casamento, nem que seja alguém que você conheceu hoje, o respeito em relação a você e suas vontades é o minimo a ter com qualquer pessoa, e nada que aconteça depois que você disse "Não"precisa ser aceito, nada que você fizer considerando apenas o "Sim" de outra pessoa te fará bem, isso é abuso.


Vale lembrar que estas dicas foram retiradas do livro que está em processo de criação, elas são um pequeno resumo do que estarei falando neste novo trabalho.
Aqui teremos uma síntese a partir das pesquisas que realizei para escrever com propriedade de conhecimento sobre alguns cuidados que podemos ter para cuidar de nós mesmas, e assim evitar um possível relacionamento abusivo. Além de consultar diversos materiais em relação ao assunto, algumas pessoas foram entrevistadas, e acredite, evitei alguns relacionamentos que seriam um horror na minha vida, e assim também aconteceu com amigas de diversas idades.
 Muitas situações ruins foram evitadas, isso é muito bom!

Mas vamos ao nosso objetivo, as dicas.

Dica Nº 1  -   Cuide da sua auto estima


      É importante manter e cultivar seus amigos, pessoas que você gosta, e que você imagina que gostem de você, ou seja, pessoas de sua confiança. A carência afetiva tende a nos apresentar caminhos ruins, muitas vezes é a carência que nos torna "cegas" diante de algumas situações, assim não percebemos quando o comportamento de alguém esta nos atrapalhando ao invés de nos impulsionar e nos fazer bem.

        Dica Nº 2 -    Aprenda a observar




 A expressividade e espontaneidade são adjetivos que todas nós gostamos de preservar, é muito bom se comportar livremente ao lado de alguém que estamos conhecendo para um possível par. No entanto, é importante aprender a observar as pessoas com quem estamos nos envolvendo, e decidir por nós mesmas se ela é o tipo de ser humano que desejamos dividir a nossa intimidade. Pessoas violentas ou abusivas não se apresentam com uma placa de identificação, mas geralmente tendem a se conter o máximo possível. Observe. Quando estamos prestando atenção nisso, não conseguem por muito tempo, em algum momento o comportamento de hábito se mostra. Ao perceber sinais de privação, violência, ou intimidação na fase de "se conhecer" será mais fácil se desligar de um possível parceiro toxico, é melhor evitar. O mundo é grande e cheio de novas oportunidades, principalmente quando continuamos vivas e com saúde! Procure não se prender a nada que prive você da sua felicidade. 


3   Dica Nº 3 -    Ouça a sua intuição


    No livro eu falo muito disso, sobre o nosso poder de intuição, de sentir o bem e o mal nos rodear, acima das emoções e das carências da carne. É preciso apenas ter coragem de usa-las, ter fé e acreditar no poder que temos quando entendemos que somos capazes de escolher os nossos caminhos. Quando diante de uma situação sentimos aquela sensação de "Não continue", acredite que é verdadeira, é um alerta. Se ame, você é o mais importante, a sua integridade física, a sua vida.

 Dica Nº 4 -      Repare como ele trata as outras mulheres, e pessoas em geral


      Isso pode parecer tolice, mas é de extrema importância. É preciso observar tudo! Como a pessoa trata a mãe, a irmã, as outras mulheres e todas as pessoas que de alguma forma estão ou passaram por sua vida. É bacana reparar em como ele fala das exs namoradas, lembre-se que se vocês não engatarem um romance você será a próxima "louca" da vez, portanto evite falar mal da ex do cara, e deixa ele mostrar que tipo de pessoa ele é. Além disso, depois da fase inicial, ele será com você o mesmo que é com as outras pessoas.

5    Dica Nº 5-    Leia. Para saber evitar o abuso é preciso saber o que é isso

      É importante se informar sempre, as reflexões sobre a liberdade feminina são estudos recentes em relação a historia da humanidade, não foi sempre que a liberdade real pôde ser pensada e praticada por mulheres. Carregamos muito da criação dos nossos pais e avós, dos nossos antigos costumes e cultura enraizada, que em muito dificulta a aceitação verdadeira do novo, a mulher pode e deve ter o comando da própria vida e das suas escolhas, mas muitas vezes ainda não se deu conta disso, ou não sabe bem como fazer. 
      Saber sobre as nossas revoluções e conquistas ajuda a nos fortalecer, ilustra o quanto somos fortes e como podemos chegar aos nossos objetivos. Quando temos referências de vitorias de outras mulheres, tudo nos parece possível, e as coisas pequenas que nos negam apoio e admiração continuam a ser pequenas, não nos enganamos com bobagens porque sabemos que podemos mais.
      Entendemos na pratica que podemos tudo, que a nossa mente é brilhante e merecemos o melhor.         
      Assim, leia sobre mulheres, seus direitos em relação as leis do país, assista series, filmes, cultive o próprio conhecimento sobre pessoas, comportamentos e saberes diversos. Isso ajuda em tudo!
      
       Além disso, a arte tem outras finalidades, como quando no cinema, literatura, televisão, ou em qualquer linguagem artística vemos um relacionamento abusivo, é possível se colocar no lugar daquela pessoa, nos identificamos em muitos aspectos com os personagens, e a arte ganha a reflexão do seu expectador, e isso lhe garante força de enxergar atitudes e novos caminhos.
      Overdose de arte não faz mal! <3

      É preciso reconhecer o que é um relacionamento abusivo, entender que a sua opinião vale mais do que qualquer coisa, e que você deve aprender a guiar a própria vida, este é o preço e o beneficio da liberdade. 
Lembre-se que questões de comportamentos e hábitos são realmente difíceis de mudar, é preciso a pessoa reconhecer isso como um problema na vida dela, além de concentração, dedicação e força de vontade, e ainda assim é difícil. Para entender, pense em você quando quer mudar um comportamento que já decidiu que é ruim, não é fácil neh!

Por fim entenda que você não é a Madre Teresa de Calcutá ou nenhuma outra santidade, se trate da mesma forma que costuma tratar a quem você ama, salve a sua pele!
Confie no universo, algumas situações são inaceitáveis, procure enxergar as coisas como elas são para ser possível evitar o pior, enquanto as nossas leis e cultura ainda estão em constante transformações para nos livrar dos escrotos, vamos nos protegendo, não aceite o que te faz mal. 
Caia fora!



Texto: Grazy Nazario.

Grazy Nazario é escritora, professora e feminista. Publicou recentemente o livro "Mulher Fora da Vitrine", que retrata historias vividas por mulheres, é também autora do titulo "O voo do beija flor" de gênero poesias.
Atua em palestras sobre empoderamento feminino e igualdade de gênero em escolas, universidades e núcleos culturais.

Contatos para contratação de palestras ou adquirir alguma de suas obras:
E-mail: graziellenazario10@hotmail.com 

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Nudes feminino. Mais empatia pelo caso de Luisa Sonza, e por todas mulheres



Em pleno século XXI falar sobre o próprio corpo ainda é um tabu, bem como nos aceitar em nossas  formas, limitações e transformações, existe a dificuldade de nos aceitar sob o comando de si. Seja em relação ao corpo, mente ou espirito, o problema não está nos “defeitos” ou “exposições não autorizadas”, o real problema está na mulher ser capaz de gostar de si, se resolver e se bastar antes de qualquer coisa para se fazer o bem, assim como deveria acontecer com todas as pessoas.

Não raramente surge na mídia vazamento de fotos como aconteceu com Luisa Sonza, recentemente a cantora teve fotos íntimas divulgadas sem a sua autorização em paginas da web.  Quanto a isso ser um crime sério e digno de punição não há duvidas, mas realmente incomoda perceber que continuam a nos atacar através de questões morais que criaram para nos privar de tudo, nada nos pertence no mundo do patriarcado.

Usam qualquer expressão de liberdade como uma degradação moral porque nos fazem acreditar desde sempre que o prazer é um pecado para a mulher, querem a nossa culpa, nosso pesar, a nossa ruína. Apenas os homens podem “pecar”, às mulheres resta ser um objeto para essas realizações. Luisa, como muitas outras não fez isso com a intenção de levantar uma bandeira de empoderamento, ou se dizer militante de algum movimento, é só liberdade diante do corpo, e a intimidade de qualquer pessoa não é da conta de ninguém, simples assim.

Nem ela ou ninguém precisa se justificar por ter tirado uma foto intima, isto não esta errado, errado é hackear, divulgar imagens sem autorização, fazer comentários preconceituosos. A foto de uma outra pessoa não interfere em nada na vida de ninguém, as pessoas não podem continuar a agir como se a sua opinião fosse algo a ser dito sem medida, aquilo que oprime, fere ou representa um xingamento não é opinião, é crime.  

Ao comparar a mesma situação com a foto de um homem, imediatamente a interpretação é transformada, homens e mulheres sempre se sensibilizam quando a vitima não é mulher. Homens não precisam ser perfeitos em todos os sentidos possíveis, é como se no ombro feminino coubessem todos os pecados do mundo. 

A questão não é o corpo nu ou seminu, a estética ou beleza, a questão é apenas expor de forma negativa a mulher e suas atitudes, tentar nos fazer sentir vergonha do que somos dentro de nós, na nossa intimidade, na hora que o nosso riso é livre, o nosso corpo nos pertence e a nossa sexualidade nos dá prazer. Sem pensar em qualquer coisa que nos incomode, na liberdade somos perfeitas, autoconfiantes e lindas! O problema é a dificuldade de nos ver livres!

Pessoas infelizes são incapazes de se perceberem livres, espalham as imagens ou se sentem bem em fazer comentários venenosos e cruéis, só pensam em apontar o dedo e julgar. Se esquecem de ter empatia, ignoram que aquela mulher sente vergonha da exposição, e da invasão de privacidade. Mesmo se houvessem punições severas para este tipo de crime isso não tiraria a sensação provocada por conta do que aconteceu. Então mulheres, por que tornar isso mais difícil do que já é?  Mais que punição aos criminosos, precisamos de consciência para os maldosos de plantão!

A Luisa reagiu bem, melhor que outras mulheres que já vi, jovens que se perderam em questões psiquiátricas ou psicológicas, algumas se suicidaram, outras se retraíram. Temos que lutar conosco em nossa intimidade a combater os medos que carregamos por ter nascido mulher, e para tornar tudo mais chato tem um povo escroto que consegue piorar tudo!

Bom que ela teve o apoio dos familiares, e do companheiro, e que conseguiu reagir bem por ela mesma, espero realmente que este seja o menor dos dramas, e que as nossas companheiras não tão famosas tenham semelhante força e empoderamento diante de casos como este.  A culpa nunca é da vitima,  a revolução feminina é transcender o gênero, queremos o mínimo, e o mínimo é tudo!


Texto: Grazy Nazario. 

sábado, 17 de novembro de 2018

Biografia - Grazy Nazario


Projeto "Mulher Fora da Vitrine"

É um livro aobre mulheres, mas não apenas para mulheres ler. Trata-se de uma coletânea de historias protagonizadas por mulheres, diversos temas, cada uma diante de uma realidade diferente. Nos ensinando e nos apresentando varias formas de ver a vida, o amor a si mesma e ao próximo. 
Vale a pena conferir! 

Biografia da autora

Grazielle Nazario de Oliveira nasceu na cidade de São Paulo; é graduada em Artes Visuais e atua como professora na rede publica de ensino, é escritora de ficção, contos, crônicas e artigos de assuntos diversos. Também faz publicações semanais em blogs, além de produzir vídeos publicados na rede.
Seus trabalhos tratam de assuntos variados voltados a temas atuais, principalmente relacionados aos direitos das mulheres, lutas e conquistas. Acredita que a reflexão é a principal ferramenta das diversas linguagens da arte.  
Contato: E-mail: graziellenazario10@hotmail.com
Para conhecer melhor os seus trabalhos acesse:
 Guerrilha Feminina






domingo, 2 de setembro de 2018

Ariana Grande, um pouco sobre ser mulher


Ariana Grande é atriz, cantora e apresentadora, vinte e cinco anos, jovem, e Pop star. A biografia dela realmente não interessa, acredito na importância de dizer pra deixar bem claro que não existe distinção, preferencia, cor ou raça, falamos de gênero, sobre o que é ser mulher.

O assédio sofrido pela cantora norte americana Ariana Grande é o ato mais comentado da internet, talvez isso tem a ver com a fato do assediador ser pastor e estar em um funeral, por se tratar de uma pop star, ter sido gravado, ou por seus fãs terem tomado as dores da moça, enfim são muitas as variantes. O fato é que estamos falando influenciadores, pessoas que deveriam servir como exemplo de respeito entre as pessoas, mas se mostram seres desprezíveis, e incluo entre o pastor outras personalidades ali presentes.

 Mulheres são alvos. É assim que nos sentimos nas ruas, ou quando vamos apresentar um projeto, e a pessoa a avaliar é homem. São tantas idiotices que ouvimos para ser aceitas no mercado de trabalho, para mostrar o que somos como artistas e profissionais que chega a enojar. Noticias assim nos fazem ver que não estamos sozinhas, o abuso esta em todos os cantos do mundo e sem muitos disfarces, ele acontece como se fosse permitido, como se o melhor fosse fingir que não aconteceu, como se o medo devesse ser nossa eterna companhia.  

É chocante assistir a cena e ver a moça não saber o que fazer, naquele momento me lembrei de quantas vezes me senti daquele jeito, sem entender qual deveria ser a minha atitude. Afirmo que se você é mulher já sentiu isso em algum momento da sua vida ou em vários. Isso e coisas piores acontecem com muito mais frequência nas periferias, nos lares, nas grandes e pequenas empresas, naqueles lugares em que câmeras e microfones não estão disponíveis para oferecer provas de que não estamos loucas, para que nós mesmas não tentamos nos convencer disso.  

Ser mulher é não estar segura em lugar nenhum do mundo, não existe espaço para mulher ter voz e se sentir em paz, ter segurança em relação ao seu corpo e ao que ela é, seja no parque, nas ruas, bares, shoppings, no velório, na igreja ou em casa junto aos familiares. A liberdade feminina parece uma utopia. Vivemos aterrorizadas com o que o mundo criou para nós, e continua a cultivar. Não existe segurança, não querem nossa autoestima, não impulsionam nosso sucesso, somos o objeto. Pretendem que perdure infinitamente a reprodução de propostas que garanta o quanto somos objetos em qualquer lugar e de todas as formas, o outro sexo a mercê do que desejarem fazer.

Ariana não terá problemas financeiros para contratar advogados e ter quem lute por ela nesta causa em vias judiciais, assim torço para que aconteça. Mas e como ficam todas as outras? Distantes dos olhos do mundo, sem forças, ou o empoderamento necessário pra gritar e dizer NÃO toque em mim! A repercussão desse caso deve nos trazer á luz a realidade de cada dia, não queremos as suas desculpas Pastor, queremos que não seja canalha e que não reproduza a sua canalhice. Queremos que você mude a sua concepção do que é ser mulher (se é que isso é possível), e que passe isto adiante para que meninos e meninas aprendam a respeitar o outro como ser humano. Não queremos e não iremos conviver com nada diferente disso.

Mulheres não se calem, não encubram homens e seus feitos não consentidos. Roupa não é convite, sorriso não é permissão, intimidação não é paquera.  Não culpem a vitima, não reforcem o coro dos abusadores, e criminosos, não sejam coniventes com o erro, a vitima nunca é culpada. Somos nós por nós, se una ao inimigo é será a próxima vitima.  Se perceba como ser humano, ninguém tem o direito de te tocar, isto não é exagero, nem miimimi, esta é a lei. Se somos nós a cultivar os pensamentos, que eles sejam transformados a favor da liberdade.



Texto: Grazy Nazario.



terça-feira, 7 de agosto de 2018

Musica: Geni e o Zepelim - - Qual tipo de Geni você já foi?


Qual tipo de Geni você já foi? 

É possível avaliar a partir de várias óticas o que acontece com "Geni", pensando em uma menção às mulheres, que sendo ou não prostitutas serão julgadas, pois sempre somos. Não importa o que as mulheres fazem,ou como fazem, o julgamento virá e por parte daqueles tão pecadores quanto elas (já disse assim alguém conhecido como Jesus Cristo), e as pessoas continuam a buscar alguém para "Tacar a Pedra", serás julgada e condenada.

Ao seguir na canção, quando precisam dos "serviços" da tal Geni que não vale nada, mas também não vale menos que a população à ser bombardeada, todos a buscam...
 E o final é a própria realidade.

Então qual é a Geni que você esta sendo? 

Quantas vezes você deixou de fazer algo com medo de ser julgada, ou ao ser condenada por alguém deixou de fazer o que queria?
E quantas vezes a pedido dessas mesmas pessoas fez algo contra a sua vontade para "salvar" ou ajudar alguém? E depois viu isso voltar como revolta após seu feito, e foi ainda mais bombardeada.

Seria Geni a grande salvadora dessa historia, por sua atitude, ou dizer isso seria hipocrisia já que ela também salvou a própria pele?

Claro que isso é só uma musica, uma mera construção de versos e melodia, e nada tem a ver com a realidade. Afinal que bondade caberia no coração da danada Geni?

A arte é mágica, e pode nos trazer a luz da consciência quando assim permitimos. Só sei dizer que toda escolha pertence a cada uma de nós, e chegará o momento que as consequências irão nos alcançar.
Cada decisão deve ser pautada por suas escolhas e preferencias, cuidado para não se enganar ao pensar que farão o melhor para você, esta é a sua função.